Unimed Uberlândia ajuda pacientes no controle da dor

0
496

O projeto Grupo de Dores Persistentes é um programa de educação em saúde da Unimed Uberlândia, que vem sendo implementado há mais de três meses, voltado especificamente para pacientes que sofrem com o incômodo. A iniciativa é pioneira dentro do Sistema Unimed no Brasil, e é indicada para pessoas que lidam com dores na coluna, osteoartrose, lombalgias crônicas, fibromialgia, cefaleias crônicas ou dores neuropáticas. Ou seja, o grupo atende pacientes que já tentaram quase de tudo e receberam acompanhamento médico sem um resultado terapêutico satisfatório.

O segredo desse novo programa é que ele trabalha tanto a parte biológica do paciente quanto o psicológico e o social. Os três fatores têm o mesmo peso no tratamento. “A dor pode ser inicialmente provocada por um processo físico e agravar por problemas sociais e psicológicos”, diz o médico reumatologista e consultor da implantação do programa Dr. Carlos Eugênio Ribeiro Parolini. O grupo de dores persistentes foi implantado pela parceria entre o CIAS, Espaço Viver Bem e Reabilitação; unidades próprias da Unimed Uberlândia.

Outro fator que distingue o programa educacional de outros procedimentos é o envolvimento de vários ramos de conhecimento, ou seja, é interdisciplinar. Além do médico, o paciente é acompanhado por fisioterapeuta, educador físico, psicólogo, nutricionista, enfermeiro e assistente social. “Com isso, a gente consegue abordar todos os aspectos envolvidos na dor do paciente. Hoje não se pode mais tratar a dor exclusivamente pensando no aspecto de dor e com um médico só”, diz Carlos Eugênio, que é membro da Comissão de Dor da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

A aposentada de 78 anos de idade, Sirlene Souza Carvalho, passou a ficar mais reclusa, se afastando de compromissos sociais e das pessoas, devido às dores persistentes que lhe acompanham há alguns anos e que provocaram duas cirurgias em sua coluna cervical. Dormir à noite era um tormento para ela, em função de uma hérnia de disco que lhe tirava a alegria e o sono. Sirlene conta que está voltando ao que era antes depois que passou a frequentar o grupo. “Com as terapias estou me sentindo mais solta, com mais vontade de sair de casa. O astral mudou completamente”, conta dona Sirlene. Não que as dores sumiram, ela diz que está aprendendo a dominar a dor. “É uma coisa que a gente consegue mesmo”, afirma. Sirlene é uma entre 25 pessoas que estão sendo acompanhadas por meio de um projeto piloto implantado na Unimed Uberlândia este ano, e que já mostra os resultados que, isoladamente, dezenas de sessões de fisioterapia, consultas e exames não conseguiram.

Cooperativa uberlandense é pioneira no País a implantar o programa

Dr. Narciso Volpe Júnior é diretor administrativo  da Unimed Uberlândia (Foto: Mauro Marques)
Dr. Narciso Volpe Júnior é diretor administrativo da
Unimed Uberlândia (Foto: Mauro Marques)

A Unimed Uberlândia é a primeira do Sistema Unimed a implantar o programa educacional em pacientes com dor persistente. A iniciativa partiu da decisão da diretoria da Cooperativa que ofereceu as condições necessárias para criação do curso. De acordo com o diretor administrativo, Dr. Narciso Volpe Júnior, a intenção é criar vários grupos simultâneos. “Com isso pretendemos aumentar o número de pessoas beneficiadas”, afirmou.
O paciente é indicado à equipe interdisciplinar pelo seu médico de origem. O programa atende pessoas de todas as idades, a restrição fica por conta de pacientes com distúrbios psiquiátricos graves. Em sua primeira turma, o programa tem demonstrado vantagens para todas as partes, especialmente ao paciente, que passa a ter mais conhecimento e controle sobre o próprio corpo.

Os pacientes são atendidos em grupo e passam pelo acompanhamento de toda a equipe durante as aulas. São três sessões por semana, com duas horas de duração cada, ao longo de 12 semanas. O paciente é encaminhado para o tratamento pelo seu médico de origem. As aulas são práticas e também teóricas. Entre os meios utilizados para o tratamento estão liberação miofascial, agulhamento, alongamento, atividades de fortalecimento muscular, exercício de equilíbrio, meditação, propriocepção, condicionamento físico e aeróbico e avaliação nutricional.

O médico de origem também é beneficiado pelo programa, uma vez que o paciente retorna ao seu consultório ao final do tratamento com uma outra visão do que provoca as dores. O médico também recebe um relatório detalhado sobre as atividades executadas e um histórico sobre o comportamento biopsicossocial do paciente. Uma vez por semana, a equipe interdisciplinar se reúne para fazer uma avaliação do quadro dos pacientes, apontando evoluções e a necessidade de novas adaptações na rotina das aulas.

Para encaminhamento das pessoas com dores persistentes, o médico cooperado poderá encaminhá-las para a Reabilitação da Unimed Uberlândia – Av. Cipriano Del Fávero, 397 –  Centro, com relatório contendo nome do beneficiário, diagnóstico e solicitação para inclusão no Programa Grupo de Dores Persistentes – próximo grupo previsto para início em julho de 2017.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here